Mostrando itens por tag: ecocardiograma no renal crônico

Quais são os parâmetros ecocardiográficos preditores de eventos cardiovasculares em pacientes em hemodiálise?

Echocardiographic Parameters as Cardiovascular Event Predictors in Hemodialysis Patients

Thayse Mayara Aragão Siqueira e colaboradores - Universidade Federal do Maranhão.

Correspondência: Thayse Mayara Aragão Siqueira.

Rua 39, quadra 40, casa 25, conj. Henrique de La Roque, Ipem São Cristóvão. CEP 65056-020, São Luís, MA – Brasil.

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo. , Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Resumo

Fundamento: Pacientes com doença renal crônica (DRC) em hemodiálise possuem altas taxas de morbidade e mortalidade cardiovascular. Apesar de alterações ecocardiográficas estruturais e funcionais em pacientes submetidos à hemodiálise terem sido objeto de diversos estudos de análise de sobrevida, o valor prognóstico destas alterações ainda não está bem estabelecido na literatura.

Objetivo: Determinar o valor prognóstico de parâmetros ecocardiográficos em pacientes com DRC em hemodiálise.

Métodos: Sessenta pacientes consecutivos com DRC em tratamento hemodialítico foram avaliados clinicamente e submetidos ao ecodopplercardiograma, sendo acompanhados durante 19 ± 6 meses. Os desfechos avaliados foram eventos cardiovasculares fatais e não fatais e mortalidade geral. O valor preditivo das variáveis ecocardiográficas foi avaliado pelo modelo de regressão de Cox, as curvas de sobrevida foram construídas pelo método de Kaplan-Meier e o teste log rank foi utilizado para compará-las.

Resultados: As taxas de sobrevida livre de eventos cardiovasculares, de mortalidade cardiovascular e de mortalidade global em dois anos foram de 79,4%, 88,5% e 83%, respectivamente. Diabetes, diagnóstico prévio de doença cardiovascular (DCV), fração de ejeção, fração de encurtamento, diâmetro sistólico do ventrículo esquerdo e relação E/e’ foram preditores de desfecho cardiovascular na análise univariada. Na análise multivariada, história prévia de DCV (HR = 6,17; IC 95% 1,7 – 22,2; p = 0,005) e disfunção diastólica de moderada a grave (HR = 3,76; IC 95% 1,05 – 13,4; p = 0,042) foram fatores de risco independentes para eventos cardiovasculares.

Conclusão: Disfunção diastólica de moderada a grave é um preditor independente de eventos cardiovasculares em pacientes em hemodiálise. (Arq Bras Cardiol 2012;99(2):714-723).

Clique aqui e tenha acesso ao artigo dos Arquivos Brasileiros de Cardiologia.

Publicado em Artigos Científicos

Contato

Rua Cândido Xavier, 575 - Água Verde - Curitiba - PR
CEP 80240-280
Secretária: Karin Dacas Bonatto Ferreira
E-mail: prnefro@gmail.com
Telefone: 41 3244-9539

 

Newsletter SPN

Registre-se para receber as últimas novidades da Sociedade Paranaense de Nefrologia.

Clique aqui para se registrar